Aviônica, Energia, História, Militar, Museus, Visitas

Visita ao Museo Nacional Aeronautico y del Espacio (Parte 2)

Esta é a segunda parte do Museo Nacional Aeronautico y del Espacio, são mostradas a exposição da parte interna e uma área externa.

O que é mostrado neste post não é toda a exibição. Clicando no botão a seguir vai acessar a primeira parte do Museo Nacional Aeronautico y del Espacio.

Parte 1Clique aqui

Primeira exposição do prédio principal

Na primeira seção dentro do Museo Nacional Aeronautico y del Espacio, é mostrada a história da aeronáutica e muitos projetos antigos de objetos voadores e planadores em escala 1:10. Algumas das maquetes são exibidas neste post. O paraquedas e o helicóptero de Leonardo Da Vinci respectivamente.

Este é o balão Passarola, construído pelo português Bartolomeu Lourenço de Gusmão em 1709.

O ornitóptero de Miller, projetado em 1843 pelo britânico W. Miller. O ornitóptero é uma máquina voadora que bate asas como um pássaro.

O ornitóptero do belga Vicente De Groof. Foi testado em 1874 e falhou, matando De Groof.

O helicóptero Vuitton número 2, construído em 1887 pelo francês Vuitton.

Monoplano a vapor Éole do francês Clement Adler, construído e testado em 1890. A primeira máquina mais pesada que o ar a deixar o solo por meios próprios.

Um dos vários planadores construídos pelo alemão Otto Lilienthal no final do século 19.

Aerodrome A construído pelo americano Samuel Pierpont Langley. Inspirado nos bem sucedidos Aerodromes 5 e 6 sem piloto. Foi lançado em 1903 e caiu no rio Potomac.

O dirigível número 6 do brasileiro Santos Dumont. Com este balão, Santos Dumont deu a volta ao redor da Torre Eiffel em 1901.

O Flyer dos irmãos Wright.

Esta foi a primeira aeronave a voar no Chile, em 21 de Agosto de 1910. O biplano Voisin importado da França, cujo piloto foi Cesar Copetta.

O dirigível Hindenburg, uma das poucas maquetes que não está em escala 1:10.

Piso superior

No piso superior é contada a história da aviação no Chile.

Este é o De Havilland DH.60 Gipsy Moth. Foi o primeiro avião usado pela Línea Aérea Nacional, a primeira companhia aérea chilena, hoje parte da LATAM. Serviu como correio aéreo.

  • País: Reino Unido.
  • Ano de fabricação: 1929.
  • Tipo: Treinador.
  • Comprimento: 7,28 m.
  • Envergadura: 9,14 m.
  • Altura: 2,68 m.
  • Pesos vazio e máximo de decolagem: 417 e 748 kg respectivamente.
  • Velocidade máxima: 164 km/h.
  • Autonomia: 515 km.
  • Altitude: 4400 m.

O motor Gipsy G-1 usado no DH.30 Gipsy Moth. Pesa 130 kg, tem 4 cilindros, era resfriado por ar, tem 100 HP e 2000 rpm.

O esqueleto do Bristol M1C para mostrar o mecanismo de controle do monoplano.

Salão principal

O Museo Nacional Aeronautico y del Espacio tem um salão principal com vários aviões. Neste post é mostrado alguns destes aviões. Este é o hidroavião Vought Sikorsky OS2U Kingfisher, projetado em 1938. Era lançado de catapulta e podia pousar na água com os flutuadores.

  • País de origem: EUA.
  • Tipo: Observação e reconhecimento.
  • Ano de construção: 1941.
  • Motor: 1 radial Pratt & Whitney R-985 – AN 2 Wasp Junior de 450 HP.
  • Velocidade máxima: 275 km/h.
  • Tripulação: 2.
  • Armamento: Metralhadoras .30 e .50 e bombas de 100 libras.

O planador Scheibe Specht, construído pela empresa Scheibe-Flugzeugbau. A fuselagem é feita de tubos de aço revestidos com tecido e madeira compensada.

  • Origem: Alemanha Ocidental.
  • Tipo: Planador de treinamento.
  • Ano de fabricação: 1953.
  • Velocidade máxima: 170 km/h.

Uma réplica do Flyer.

  • Origem: EUA.
  • Motor: 1 Wright de 12 HP.
  • Velocidade máxima: 48 km/h.

Este é o ENAER T-35-YBT “Pillán”, um avião genuinamente chileno. A ENAER surgiu em 1979 como ENA (Empresa Nacional de Aeronaves), em 1984 se tornou ENAER.

  • País de origem: Chile.
  • Tipo: Treinamento primário.
  • Ano de construção: 1981.
  • Motor: 1 Lycoming AE 10-540K1K5 de 300 HP.
  • Velocidade máxima: 311 km/h.
  • Peso: 1317 kg.
  • Altitude máxima: 3500 m.
  • Tripulação: 2.

O turboélice ENAER T-35DT Turbo Pillán bateu o recorde de velocidade na sua categoria, alcançando 382,5 km/h em 2000.

  • Origem: Chile.
  • Tipo: Treinamento.
  • Ano de construção: 1986.
  • Motor: Allison 250 B-17 D de 420 SHP.
  • Velocidade máxima: 380 km/h.
  • Tripulação: 2.

Este é o planador Blanik L-13. Construído pela empresa LET e é capaz de voos acrobáticos e de alto desempenho.

  • Origem: Checoslováquia.
  • Tipo: Planador treinador.
  • Ano: 1958.
  • Velocidade máxima: 240 km/h.

Este é o Fokker DR1, foi o triplano do piloto Manfred Von Richtofen, conhecido como o Barão Vermelho. Tinha grande manobrabilidade.

  • Origem: Alemanha.
  • Ano de produção: 1917.
  • Motor: Oberursel U.R. II de 110 HP.
  • Peso vazio: 406 kg.
  • Velocidade máxima: 165 km/h.
  • Altitude: 6095 m.
  • Autonomia: 300 km.
  • Armas: 2 metralhadoras Spandau LMG 08/15 de 7,92 mm.

O helicóptero Aerospatiale SA 315B Lama foi feito para operar nas altas altitudes do Himalaia. Em 1972, o protótipo bateu recorde de altitude de 12442 metros para helicópteros.

  • Origem: França.
  • Motor: Turboshaft Turbomeca Artouste IIIB de 870 CV.
  • Peso vazio: 995 kg.
  • Peso máximo de decolagem: 2200 kg.
  • Carga útil: 1000 kg.
  • Diâmetro do rotor principal: 11,02 m.
  • Diâmetro do rotor traseiro: 1,91 m.
  • Altura: 3,09 m.
  • Velocidade cruzeiro: 120 km/h.
  • Velocidade de ascensão: 250 m/min.

Área externa

Atrás do salão principal do Museo Nacional Aeronautico y del Espacio, tem uma área aberta onde outras aeronaves estão expostas. Este é o avião comercial Fairchild/Fokker F-27. Foi construído pela Fokker para substituir o Douglas DC-3. A Fairchild conseguiu licença para produzir nos EUA.

  • Origem: Holanda.
  • Velocidade máxima: 555 km/h.
  • Velocidade cruzeiro: 483 km/h.
  • Autonomia: 2930 km.
  • Altitude: 9000 m.
  • Capacidade: 50 passageiros.
  • Comprimento: 23,50 m.
  • Envergadura: 29 m.
  • Altura: 8,71 m.
  • Peso vazio: 12148 kg.
  • Peso máximo de decolagem: 20412 kg.
  • Motores: 2 Rolls Royce Dart 532-7 de 2250 SHP para o F-27J e 2 Rolls Royce Dart 528 de 2100 SHP para o F-27A.

O interior do F-27.

O bimotor turboélice Embraer EMB 110 CN Bandeirante foi projetado pelo engenheiro francês Max Holste. O protótipo voou pela primeira vez em 1968 e a produção em série começou em 1969 até 1990.

  • País de origem: Brasil.
  • Tipo: Transporte leve.
  • Ano: 1976.
  • Motores: 2 turboélice Pratt & Whitney Canada PT 6-34 de 750 SHP.
  • Velocidade cruzeiro: 314 km/h.
  • Tripulação: 3 + 15 passageiros, depende da configuração.

Este é o Dassault Mirage 50DCM “Pantera”, é uma versão melhorada do Mirage 5 com um motor melhor e o radar Agave.

  • País de origem: França.
  • Tipo: Treinamento operacional.
  • Ano de fabricação: 1980.
  • Motor: ATAR 9C de 4820 kg de empuxo.
  • Peso operacional: 13700 kg.
  • Velocidade máxima: 2300 km/h.
  • Autonomia: 1000 km.
  • Altitude: 18000 m.
  • Tripulação: 2.

O English Electric Canberra PR-9 foi o primeiro bombardeiro a jato do Reino Unido.

  • País: Reino Unido.
  • Tipo: Reconhecimento.
  • Propulsão: 2 turbinas Rolls Royce Avon MK 206 de 4990 kg de empuxo.
  • Velocidade máxima: 871 km/h.
  • Altitude: 18288 m.
  • Tripulação: 2.

Mais fotos do acervo do Museo Nacional Aeronautico y del Espacio serão postas na galeria de imagens.

Print Friendly, PDF & Email

About Pedro Ney Stroski

1 thought on “Visita ao Museo Nacional Aeronautico y del Espacio (Parte 2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *