Componentes eletrônicos, Eletrônica analógica, Hobby, Magnetismo, Projetos, Sensores

Conheça o reed switch

O assunto deste post é um componente pouco conhecido: o reed switch. Este é um sensor magnético e será explicado como funciona e o que você pode fazer com este componente.

Como funciona e do que é feito?

O princípio de funcionamento é bem simples. Tem duas placas condutoras, que podem ser normalmente abertas ou fechadas, que se movimentam na presença de um campo magnético.

Estes contatos abrem o circuito se as placas forem normalmente fechadas, ou fecham o circuito se forem normalmente abertas. As placas ficam dentro de uma cápsula de vidro contendo gás nitrogênio por ser inerte. Um gás inerte não reage com outras substâncias em condições normais de temperatura e pressão. As placas podem ser feitas de ródio, rutênio ou irídio em ouro, cobre ou tungstênio.

Estas são as representações do reed switch nos esquemáticos de circuitos.

Também existe o reed switch de três terminais que comuta com um campo magnético, chamado de tipo c.

Alguns exemplos de projetos

O que dá para você fazer com o reed switch? Este é um esquemático de um sensor com o 555, muda de frequência quando detecta campo magnético.

Este projeto em uma placa de circuito impresso.

Se você não conhece o 555, clique neste botão.

555 555Clique aqui

Este circuito pode ser um sensor magnético para o Arduino ou outro circuito, com um pino digital.

Outra forma de ativar o reed switch é pegar um pedaço de fio e enrolar no componente formando uma bobina.

Desta forma, é possível saber o valor da corrente necessária para mover o contato no componente. Este é um exemplo de circuito que pode ser usado para ativar o reed switch por corrente elétrica. Pode-se variar o VDC ou o R1 para ver até onde o LED acende.

O circuito em protoboard.

Importante

Os reed switches são componentes frágeis, é fácil quebrar a cápsula de vidro. Portanto, devem ser manuseados com muito cuidado.

 

Liked it? Take a second to support Electrical e-Library on Patreon!

About Pedro Ney Stroski

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *